Com a participação do prefeito Gustavo Mendanha; Primeira-dama e Secretária de Assistência Social Mayara Mendanha; Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ozair José; Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Cleomar Rocha; Diretor de Promoção das Pessoas com Deficiência, José Fernando; Ex-secretária de Políticas Para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida e ex-vereadora de Goiânia, Cidinha Siqueira; representantes do Banco do Brasil e empresários, reunião foi realizada na tarde desta segunda-feira, 17,e foram discutidos vários parâmetros deste projeto que deve mexer com toda a cidade.

“Minha maior vontade é tornar Aparecida uma cidade inclusiva para facilitar a vida das pessoas com deficiência e promover a inclusão social”, garantiu Gustavo Mendanha. De acordo com o prefeito, a prioridade do projeto é fazer o dever de casa e começar pela acessibilidade dos espaços e prédios públicos, além de aumentar o número de vagas para servidores com deficiência nos órgãos da prefeitura.

A ex-secretária de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida e ex-vereadora de Goiânia, Cidinha Siqueira, é cadeirante e uma das principais mentoras do projeto. Ela ressaltou a eficiência do prefeito Gustavo Mendanha em iniciar a gestão se preocupando em promover a acessibilidade no município. “Sem acessibiliade as pessoas com deficiência ficam em casa sem condições de trabalhar e sem usufruir dos direitos de ir e vir por toda a cidade. Acessibilidade gera autonomia, gera economia, emprego e renda”, enfatizou Cidinha Siqueira.

A coordenação do Projeto de Acessibilidade está sob a responsabilidade do secretário de Desenvolvimento Econônimo, Ozair José, que está entusiasmado com o início das reuniões de trabalho. “Será um projeto de autoria conjunta. Precisamos da colaboração e experiência de todos, principalmente das pessoas com deficiência, para levantar suas principais dificuldades e usá-las como roteiro do projeto”, destacou o secretário.

O projeto, que conta com parceria do Banco do Brasil e apoio da Universidade Federal de Goiás e Instituto Federal Goiano, prevê a adequação do espaço urbano às necessidades de inclusão de toda a população, visando eliminar os obstáculos existentes. Além disso, pretende realizar a capacitação de servidores para humanizar o atendimento as pessoas com deficiência em todas as áreas.

Segundo o Censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, o Brasil conta com 45,6 milhões de pessoas que declararam ter ao menos um tipo de deficiência. O número corresponde a 23,9% da população brasileira. O engenheiro civil Edson Ribeiro ressaltou que as cidades que se preocupam com a acessibilidade são mais competitivas porque permitem à todas as pessoas usufruirem de todos os espaços públicos, garantindo uma qualidade de vida melhor para toda a população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here