Veículo locado pelo Ibraceds trafegava em alta velocidade e fazia ultrapassagens extremamente imprudentes

Por Hélmiton Prateado

Um veículo modelo Gol com a plotagem da Rede Itego trafegava rápida e imprudentemente pela Rodovia GO 060 numa rota que vai para Iporá, Piranhas e chega até Barra do Garças, no Mato Grosso. O dia e a rota fogem totalmente à rotina das atividades da Organização Social que faz a gestão de unidades da educação tecnológica como Itegos e Colégios Tecnológicos (Cotecs).

Carro da Rede Itego foi usado em feriado e fora da rota do serviço

Logo no início da manhã do dia 15, sexta-feira, o Gol placa PQT 5541 trafegava pela GO 060 logo após o trevo de Trindade e foi acompanhado pela reportagem até o Distrito de Claudinápolis. A direção agressiva efetuada pelo motorista chamou a atenção de outros motoristas que trafegavam pelo mesmo trecho, fazendo ultrapassagens extremamente imprudentes em faixa contínua e desenvolvendo velocidades na faixa de 140 quilômetros por hora, muito acima do permitido para a via, além de não respeitar a preferência para ultrapassagens em subidas com faixa dupla.

A conferência no site do Detran-GO indica que o veículo está registrado em nome da empresa Unidas Rent a Car e no Portal da Transparência da Rede Itego está patente o contrato firmado entre o Ibraceds (Instituto Brasileiro de Cultura, Educação, Desporto e Saúde) – OS que tem o Contrato de Gestão desse lote da Rede Itego) e a empresa MRJ Aluguel de Veículos Ltda, cujo nome de fantasia é Unicar Aluguel de Carros.

O Ibraceds faz a gestão da Rede Itego na Região Norte de Goiás, em um amplo território que vai da fronteira com a Bahia, como a cidade de Campos Belos de Goiás; passando por Formosa e Cristalina e vai até Porangatu, na divisa com Tocantins e vai até o Vale do Araguaia. Totalmente fora da rota onde o Gol dirigido pelo funcionário do Ibraceds dirigia.

O horário, o dia e a rota em nada denotavam haver alguma correlação entre o objetivo da locação do veículo por uma OS que mantém um contrato de gestão com o Estado através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação (SEDI). “Bem à disposição do serviço público não pode servir de benefício para particular”, reza a doutrina do Direito Administrativo e a constante da legislação.

Além disso os ocupantes do veículo indicavam fazer parte de uma família em passeio durante o feriado. Um passageiro adolescente descansava a cabeça no ombro de uma senhora mais idosa, parecendo ser uma cena afetuosa com uma avó. A bagagem na parte traseira, à visa, mostrava agasalho, mochila e brinquedo.

A reportagem tentou ouvir o presidente do Ibraceds, Antônio Almeida, em seu telefone, sem sucesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here