Compartilhar

Letícia Tavares Viana é uma das profissionais de saúde que batalham para salvar vidas no Centro de Internação Norma Pizzari, criado exclusivamente para tratar de pacientes com covid-19. A enfermeira viveu o drama de cuidar do próprio marido, João Batista Viana, que não resistiu. “Ele ficou internado aqui no Norma, nós cuidamos dele e eu estou aqui por ele, hoje, fazendo o bem para as pessoas que ficaram.”
Nesta sexta-feira, 14, Letícia e outros colegas da linha de frente prestaram homenagem aos pacientes que morreram na unidade de saúde. Balões brancos com o nome das vítimas preencheram o céu de Anápolis para simbolizar a saudade deixada nos entes queridos e também na equipe, que há um ano se dedica no combate à doença. O ato marca a semana em que se comemora o Dia Internacional da Enfermagem.
“A Solange foi a primeira profissional de saúde que veio a óbito comigo, então é uma lembrança que vou guardar. Todas as vezes que eu penso, me emociono. Foi o primeiro nome que eu pensei em colocar aqui”, diz outra enfermeira.
Aline Oliveira tinha o sonho de ser mãe. A enfermeira Claudiane Valadares da Silva relembra da colega de trabalho com admiração. “A Aline deixou a filha com menos de cinco anos. A vontade dela de ser mãe era incrível”, conta a profissional.
O diretor do Centro de Internação, Aladim Nepomuceno Júnior, explica que a iniciativa surgiu de uma das colegas da equipe, para “demonstrar todo o amor que a gente tem por cada uma das pessoas que passou por aqui”. Um dos pacientes foi seu próprio pai, internado em 8 de março, falecendo nove dias depois.
“Às vezes é difícil entender uma doença que muito pouco se sabe, mas que os profissionais daqui cada dia mostram exemplarmente o que é sair de casa e se dedicar dia e noite em prol de alguém que nunca viram, mas que é pai de alguém, mãe de alguém, avô, avó, que completa uma família. Cuidamos como se fossem da nossa família”, conclui Aladim.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here