Médicos do HUGO recebem treinamento no Hospital das Forças Armadas

Por Hélmiton Prateado

Todas as semanas grupos de médicos e enfermeiros do Hospital de Urgências de Goiânia Dr Valdemiro Cruz (HUGO) recebem capacitação no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília. O treinamento visa principalmente aprimorar técnicas de cuidados e tratamento para enfrentar a pandemia de coronavírus.
A diretora-geral do HUGO, Dulce Xavier, explica que a parceria é um projeto piloto desenvolvido com os militares visando transferência de tecnologia para hospitais civis. “Nossos profissionais recebem treinamento e orientações diversas usando o que há de mais moderno na tecnologia de simulação de situações concretas em atendimento médico com os melhores instrutores das Forças Armadas”, frisa.
Os profissionais são treinados principalmente no Centro de Simulação Realística, uma seção da Divisão de Treinamento, Ensino e Pesquisa do HFA, comandada pelo brigadeiro Geraldo José. O Centro tem bonecos robôs para preparação de médicos, intervencionistas, enfermeiros e outros profissionais e outros equipamentos de última geração para as ciências médicas.
Segundo o diretor, brigadeiro Geraldo José, o HFA tem esses equipamentos que podem simular eventos que representem ameaça para pacientes de maneira geral. “Esses robôs representam o que há de mais moderno para apresentar condições clínicas muito próximas do que os profissionais de saúde vão enfrentar e corrijam de maneira tempestiva e conduzam [os pacientes] a uma condição de estabilidade”, comenta.
Para o diretor esse é o estado da arte do treinamento profissional na atualidade. “Precisamos saber que aqui podemos errar e começar de novo sem prejuízo de vidas para que ao chegar a uma situação real os profissionais tenham aprendido à exaustão a melhor técnica de procedimento”. Esse projeto piloto se destina também a troca de informações entre o Hospital das Forças Armadas e profissionais de unidades civis. “Fazemos parte de uma só sociedade e queremos trocar experiências visando o bem da coletividade”.
Auxílio
O assessor especial do Ministério da Defesa, general Pafiadache, recebeu a direção do HUGO no Hospital das Forças Armadas e adiantou que a transferência de conhecimentos dos profissionais de saúde das Forças Armadas faz parte de um projeto de integração e auxílio quando solicitados para unidades de saúde da sociedade civil. O general lembrou que há um contingente de 1,5 milhão de pessoas na família das três armas – Marinha, Exército e Aeronáutica – e que isso se traduz em uma necessidade de aprimoramento constante para os profissionais de saúde.
General Pafiadache é atualmente secretário de pessoal, ensino, saúde e desporto do Ministério da Defesa e está à frente do processo de integração com unidades civis. “No que for possível estamos em busca de apoiar hospitais civis nas diversas guarnições do Brasil. Hoje colocamos pessoal e equipamentos para triagem em unidades. Nosso pessoal de defesa química e bacteriológica, além das unidades de defesa radiológica e nuclear atuam em esterilização de diversos locais, prestando serviços e transferindo tecnologia”, frisa.
O diretor-técico do HUGO, Eros de Souza, comenta que o objetivo é fazer com que os profissionais recebam treinamento realístico e se aprimorem para os cuidados dispensados à população. “Toda evolução técnica é bem aproveitada para darmos a atenção à saúde com o nível de excelência e humanização que é nossa meta”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here