Evandro Magal, prefeito de Caldas Novas, acusou seu opositor de usar diploma falso. Corregedoria-Geral da PM atestou que denunciação era caluniosa. Magali está com os bens bloqueados por improbidade administrativa e Ministério Público pediu a cassação de seu mandato

Por Hélmiton Prateado

O sargento Alison Maia, militar, blogueiro e ex-candidato a prefeito em Caldas Novas, representou criminalmente contra o prefeito da cidade, Evandro Magal pelo delito de “denunciação caluniosa”. Magal acusou formalmente Maia de ter se valido de diploma falso para ingressar na Polícia Militar e responderá por esse crime agora no Tribunal de Justiça.

A representação foi feita para o Ministério Público, que apresentou notícia crime para o Tribunal de Justiça, com distribuição para o desembargador Leandro Crispim. Segundo narrou em sua representação o sargento Maia ele sofre sistemática “perseguição feita pelo prefeito Evandro Magal”, que usa seu prestígio para fazer denúncias contra ele para a Corregedoria-Geral da Polícia Militar e provocar instabilidade em sua atuação profissional.

“O prefeito Evandro Magal tem feito um trabalho sistemático de denúncias contra a minha pessoa, acusando-me falsamente de inúmeras irregularidades e todas são arquivadas pela corregedoria. No que tange às acusações isso não me preocupa, mas o que ele usa é seu cargo político para mentir e provocar gastos desnecessários para a corporação”, frisou.

Alison Maia, sargento da Polícia Militar e ex-candidato a prefeito de Caldas Novas tem sofrido campanha sistemática de calúnia do prefeito Evandro Magal

Alison Maia frisa que a cada denúncia falsa levada por Evandro Magal para a Polícia Militar é necessário o deslocamento de uma equipe composta de um oficial, com motorista e veículo da corporação, com pagamento de diária e o custo de logística para ir a Caldas Novas cumprir o rito de apuração. “Invariavelmente essas denúncias são arquivadas por serem todas falsas, mas é um desgaste desnecessário e ele precisa parar de mentir dessa forma, porque está faltando com a verdade com a corporação e com a sociedade”.

A denúncia feita por Magal em 2015 dava conta de que ele teria sido incluído na Polícia Militar se valendo de “certificados de conclusão de ensino falsos”. O prefeito registrou em ofício na Corregedoria-Geral da PM essa notícia e pediu providências.

Cassação

O tenente-coronel Celso Gonçalves Borges, corregedor que fez a sindicância e assinou o relatório observou em seus apontamentos que o prefeito Evandro Magal quando questionado sobre “a origem da denúncia, fundamentos e possíveis fontes, limitou-se a declarar que ouviu dizer de policiais que não quis dizer o nome”.

Os oficiais da corregedoria foram até a cidade de Novo Gama, onde Alison Maia estudou e descobriram que todos os diplomas e certificados de conclusão de escolaridade do sargento são verdadeiros e autênticos, o que não deixa “a menor dúvida sobre a autenticidade dos documentos e inocência do sindicado [Maia]”.

Enquanto acusa Alison Maia de cometer irregularidades e ver suas denúncias arquivadas, o prefeito Evandro Magal (PP) segue colecionando problemas com o Ministério Público e com a Justiça em Caldas Novas. No mês de fevereiro juiz de Direito de Caldas Novas, Tiago Luiz de Deus Costa Bentes, decretou o bloqueio dos bens do prefeito da cidade, Evandro Magal, acatando pedido do Ministério Público em ação civil pública por ato de improbidade administrativa. Além disso, o promotor de Justiça eleitoral, Rafael Machado de Oliveira propôs ação de investigação eleitoral em que pediu a cassação do diploma e da posse do prefeito Evandro Magal. Segundo ele o prefeito e seu vice, o médico Fernando Resende, além do jornal É+ Notícias e seus diretores em participação da empresária Cleusa Maria de Carvalho incorreram em “condutas eleitorais vedadas” visando sucesso nas eleições municipais de 2016.

A ação detalha os levantamentos feitos sobre as notícias veiculadas no jornal É+ Notícias para “demonstrar a ausência total de imparcialidade e o objetivo de abusar do meio de comunicação social para promover o representado Evandro Magal Prefeito de Caldas Novas e candidato à reeleição”. Inúmeros recortes do jornal foram mostrados na ação para atestar que as notícias eram francamente favoráveis a Magal e extrapolavam a veiculação de matérias jornalísticas se travestindo de “promoção de imagem pura e simples do prefeito com recursos públicos”.

“Infere-se, ainda, que o Jornal É+ Notícias, seguindo a sua linha de apenas enaltecer o representado Evandro Magal, mesmo antes do período de campanha eleitoral, atuou no sentido de denegrir a imagem de qualquer pretenso candidato que pudesse concorrer como Prefeito de Caldas Novas”. Além de notícias negativas o jornal só publicou entrevista com o candidato Alison Maia uma única vez “omitindo-se em relação aos seus demais atos de campanha praticados”, frisou o promotor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here