Deputada Magda Mofatto teve pedido de bloqueio de seus bens

Por Hélmiton Prateado

O Ministério Público de Caldas Novas propôs ação civil pública por atos de improbidade administrativa contra a deputada federal Magda Mofatto (PR), seu companheiro Flávio Canedo, a empresa Di Roma e o funcionário da deputada, Eledir José dos Reis. Segundo o relato assinado pelos promotores Pedro Eugênio Beltrame Benatti e Rafael Machado de Oliveira a deputada foi beneficiada por ato praticado por Flávio Canedo e Eledir quando dirigiam o Departamento Municipal de Água e Esgoto de Caldas Novas (Demae) que modificaram o sistema de cobrança da taxa de esgoto de R$ 8.318,00 mensais para R$ 2.202,91 por mês.
“Eles criaram uma nova conta de esgoto da empresa Roma Empreendimentos e Turismo Ltda (Thermas Di Roma) mudando aleatoriamente a forma de cobrança e reduzindo substancialmente os valores”, explicaram os promotores. Flávio Canedo era diretor-geral do Demae na época e Eledir diretor-comercial e a modificação no sistema, criando uma nova conta, alterava os valores da taxa de esgoto cobrada do complexo Thermas Di Roma, de propriedade da deputada Magda Mofatto.

Deputada Magda Mofatto e seu companheiro Flávio Canedo

Além disso, prosseguiram os promotores, Flávio Canedo teria deixado intencionalmente de impulsionar uma ação de cobrança do Demae contra a empresa de sua companheira, a deputada Magda Mofatto, provocando um prejuízo de mais de R$ 1 milhão para o Demae. “É incontestável que ele omitiu providência a que estava obrigado de ofício, deixando de impulsionar a Ação de Cobrança supramencionada, até porque o Demae foi intimado durante sua gestão, via Diário de Justiça, por ao menos duas vezes para esse fim, agindo, diante de sua inércia, para que o processo fosse extinto, o que poderia gerar prejuízo de mais de um milhão de reais para o Demae e, ao mesmo tempo, benefício próprio e para sua companheira Magda, que, como já dito, é proprietária da empresa Roma Empreendimentos e Turismo Ltda”.
Ao final da ação os promotores pediram a indisponibilidade dos bens no valor de R$ 399.970,00 de cada um dos réus. Eles reiteraram também não haver interesse na realização de audiência de mediação e conciliação.
Magda Mofatt é apontada como a deputada federal mais rica do Congresso, com patrimônio declarado de mais de R$ 21 milhões, envolvendo hotéis, resorts, casa na beira do lago, helicópteros, carros de luxo e fazendas. Ela foi prefeita de Caldas Novas e teve o mandato cassado por compra de votos. A reportagem tentou falar com a deputada e com Flávio Canedo no telefone (61)99972-XXXX sem sucesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here