Capitão Euler, sub-comandante do 9º Batalhão acompanha operação próximo a bares e distribuidoras de bebidas. Cerca de 20% dos homicídios foram cometidos próximo a esses locais em 2016
Compartilhar

Por Hélmiton Prateado

Obedecendo a diretriz de combater a violência e a criminalidade nas ruas de Goiânia com todo empenho e visando melhores resultados policiais militares lotados no 9º Batalhão (Região Norte) efetuaram operações na noite do dia 10 e madrugada do dia 11 (sábado). Segundo o capitão Euler, sub-comandante da unidade o objetivo foi patrulhar locais propícios para a concentração de marginais e para o cometimento de crimes.

“Cumprindo determinação de nosso comandante, tenente-coronel Marreiros, nossos policiais intensificaram o policiamento ostensivo em bares e distribuidoras de bebidas em bairros sob nossa responsabilidade”, explicou o oficial.

Foram efetuadas abordagens a pessoas em locais considerados sensíveis, evitando desta forma ocorrências como tráfico de drogas, homicídios e outros. Foram abordadas inúmeras pessoas, mostrando desta forma a presença forte da PM na Região Norte de Goiânia.

Policiamento ostensivo próximo a esses setores é uma orientação do comando geral da corporação e tem sido discutido com a sociedade. O tenente-coronel Ricardo Rocha, comandante do Policiamento da Capital (CPC) encaminhou propositura para a Câmara de Vereadores no sentido de edição de legislação específica para fechar bases, distribuidoras de bebidas e similares a partir da meia noite.

O projeto intitulado “Pacto pela Vida em Goiânia” prevê que a Câmara de Vereadores promova debates e audiências públicas junto à população para discutir o assunto da violência, suas causas e propostas para reduzir a incidência de crimes violentos. A principal preocupação do comando da PM na Capital é o alto índice de homicídios que foram cometidos em Goiânia em 2016 e a relação que esses crimes guarda com o consumo de álcool, principalmente nas madrugadas.

“Conforme os dados apresentados pelo Observatório da Segurança Pública (SSPAP), dos 442 homicídios registrados na capital no ano de 2016, cerca de 20% ocorreram em ambientes de bares e de distribuidoras de bebidas ou nas suas proximidades, no período compreendido entre as 23:00 e 06:00 horas”, explicou o tenente-coronel Rocha.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here