Etanol era usado para falsificar álcool gel
Compartilhar

Por Hélmiton Prateado

Em duas ações realizadas em menos de uma semana, a Polícia Civil de Goiás (PCGO), por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor do Estado de Goiás (Decon), ao lado de equipes da Vigilância Sanitária e da Polícia Técnico-Científica, apreenderam mais de 28 mil litros de álcool gel impróprio para o consumo, na Grande Goiânia.
A primeira ação, realizada na última quarta-feira, dia 22, interditou duas fábricas de cosméticos em Aparecida de Goiânia que somavam cerca de 30 mil litros de álcool em gel. A apreensão aconteceu depois que a Polícia Civil do Estado de Goiás constatou a produção de forma irregular, sem atender às exigências sanitárias. A Polícia Técnico-científica realizou a perícia no local.
O dono de uma das empresas e um colaborador foram levados à Decon, ouvidos e liberados. Os responsáveis devem responder pelo crime que trata de adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.
Já a outra intervenção, foi realizada na sexta-feira, dia 24, numa casa, no Residencial Park Solar, em Goiânia, que funcionava como fábrica para a produção clandestina de álcool gel. No local, os investigadores se depararam com cerca de 8 mil litros do produto, e parte já estava embalada e rotulada.
Existem fortes indícios de que os investigados estavam adicionando etanol na produção, de forma a aumentar o volume. As pessoas que foram contratadas para o serviço não utilizavam EPIs e não seguiam normas sanitárias para o manejo do produto, que após apreendido, foi inutilizado.
No momento da abordagem, o responsável pela produção não estava na residência. Ele se apresentou mais tarde, espontaneamente, à Polícia Civil e responderá pelo crime de adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here