Compartilhar

O secretário de Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino Júnior, participou na tarde dessa terça-feira, 19, de uma sessão especial do Senado Federal destinada a discutir a cobertura vacinal no Brasil. Na ocasião Ismael lamentou o ciclo que o país vive de queda na busca e aplicação de vacinas e os efeitos disso para a população.
“Existe há muitos anos no Brasil um determinado segmento avesso às vacinas. A compreensão de que vacinação é promover saúde, e não simplesmente tratar doença, demonstra o grau civilizatório de uma população”, comentou Ismael Alexandrino. Ele participou do debate a convite do senador Marcelo Castro (MDB-PI) e na condição de vice-presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde.
A pandemia do Covid-19 que a população mundial padece desde o final de 2019 e que chegou ao Brasil no início do ano passado é um evento que veio mostrar o quanto estamos despreparados para lidar com doenças desconhecidas. “Isso serviu para mostrar o quanto não estamos preparados do ponto de vista global para patologias que desconhecemos”, comentou.
Um dos proponentes da sessão, senador Marcelo Castro, que também é médico de formação, como Ismael Alexandrino, lembrou a contemporaneidade da discussão, dado o momento da pandemia. “O Dia Nacional da Vacinação (17 de outubro) sempre foi essencial para conscientizar as pessoas sobre a importância da imunização e, também, para se fazer uma grande mobilização para promover a vacinação em massa — afirmou Castro, que é ex-ministro da Saúde.
O fenômeno que repete no Brasil o mesmo que acontece em nível mundial é deveras preocupante, lembrou Ismael. Ele se referiu ao fato de haver muitas pessoas que negam a eficácia e a importância das vacinas, colocando em risco suas vidas e de outras pessoas e que isso se repete com muitos tipos de vacinas.
“Estamos sujeitos, nos próximos cinco a dez anos, a novas modalidades de vírus. A questão da vacinação precisa ser massificada na nossa população”, frisou.
No estado de Goiás, segundo o secretário, mais de 300 mil pessoas não tomaram a primeira dose da vacina anticovid e 600 mil não completaram o calendário, o “que preocupa sobremaneira”, finalizou.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here