Compartilhar

A rede municipal de Educação de Anápolis atende estudantes surdos ou deficientes auditivos em 32 unidades escolares, contando com o apoio do Centro Municipal de Apoio à Diversidade (Cemad) e da Diretoria de Inclusão, Diversidade e Cidadania. Em tempos de pandemia, foi necessário adequar a metodologia de ensino, do modo presencial para o remoto, com produção de vídeos e encontros virtuais adaptados a esses estudantes.
“A pandemia nos fez repensar estratégias e metodologias de ensino considerando as características individuais dos estudantes para a promoção de um ensino público de qualidade”, diz a secretária de Educação, Eerizania de Freitas, sobre as estratégias de ensino adotadas pelo município.
Nas escolas, os estudantes surdos recebem atendimento com o apoio de intérpretes de Libras, que exercem a importante função de interpretar as atividades e aulas dos professores para a língua de sinais. No Cemad, o público atendido provém tanto da rede municipal de ensino como da comunidade em geral. “Os atendimentos são realizados por meio de vídeos gravados pela nossa equipe de professores. O material é composto por imagens, a datilologia em Libras da palavra, o sinal em Libras, uma frase e a legenda. Deste modo, os estudantes são estimulados a aprender tanto a Libras quanto o português escrito”, pontua a coordenadora da unidade, Valdileya Prado.
Valdileya explica que, como forma de feedback ao material enviado pelos professores, os estudantes são incentivados a enviar uma foto ou a gravar um vídeo reproduzindo os sinais aprendidos. “Para os que não se adaptaram ou possuem dificuldade para gravar vídeos, são realizadas chamadas de vídeos para que a atividade seja feita”, conclui a coordenadora.
Laysa Rodrigues, mãe da estudante Emanuelly Victória, da Escola Municipal Professora Edinê Rodrigues, reforça que a parceria com a escola é essencial para o bom aprendizado da filha de 7 anos. “O processo não é fácil, mas tenho um apoio muito grande da professora Elza e da intérprete Luciara. O método de ensino-aprendizagem que elas usam faz com que eu tenha mais facilidade em mediar as atividades, e a compreensão, leitura e escrita dela estão ficando cada vez melhores.” Laysa também destaca a importância da participação da intérprete na aprendizagem da criança. “Quando ela tem alguma dúvida, a tia Luciara faz uma chamada de vídeo com ela para esclarecer todos os questionamentos. Estou muito orgulhosa, porque a Emanuelly já até pede pra conversar somente em Libras com a intérprete”, conta a mãe.
Flávia Fernanda, responsável pela Diretoria de Inclusão, Diversidade e Cidadania, reforça que a inserção de indivíduos surdos na educação, assim como o aprendizado de Libras, são pontos fundamentais para o seu desenvolvimento social e emocional. “Os estudantes surdos, como todos os outros, possuem o direito ao ensino de qualidade. Ocasionalmente eles podem sofrer dificuldades de adaptação, mas toda a equipe escolar deve colaborar para a permanência desse estudante e para que ele tenha um atendimento de excelência”, afirma a diretora.
Conscientização
O mês de abril é marcado por datas importantes para a conscientização da inclusão do estudante surdo, e para incentivar o uso da Libras como forma de comunicação para promover o envolvimento de pessoas surdas na sociedade. Nos dias 23 e 24 são comemorados, respectivamente, o Dia Nacional da Educação de Surdos (23) e o Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais (24). No Brasil, a Libras passou a ser reconhecida como língua oficial desde o ano de 2002, e a Língua Portuguesa passou a ser considerada a segunda língua, na modalidade escrita, pelos surdos.
O principal objetivo da inclusão do surdo na educação é que ele aprenda a conviver em sociedade e se aproprie da linguagem de Libras e do português escrito. É natural que exista um grande impasse por parte da família da criança surda ao ingressá-la na escola, principalmente nos anos iniciais, decorrente de fatores como as limitações pessoais e o conhecimento parcial da língua pela qual se comunica, a Libras. Por isso, é essencial uma reflexão sobre a alfabetização dos surdos no Brasil, tendo em vista os desafios enfrentados por estes estudantes em relação ao aprendizado.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here